Doença de cachorro: veja quais são as mais comuns nos cães

Saber quais doenças são mais comuns nos cães é importante para prevenir e manter o animal saudável. Veja as 10 principais doenças de cachorro

Assim como os humanos, os cães estão sujeitos a vários tipos de doença e algumas até se assemelham as nossas, como a otite e a obesidade. Logo, cabe aos tutores tomar conhecimento de quais são essas mazelas para poder zelar e cuidar ainda mais da saúde dos bichinhos.

Ao conhecer os principais tipos de doenças que atingem os cães e os sintomas, fica mais fácil tratar e ajudar nossos amigos de quatro patas. Afinal, é muito importante oferecer cuidado para quem nos oferece tanto amor e carinho diariamente.

Por isso, neste artigo nós vamos abordar as 10 principais doenças que atingem os cachorros, os principais sintomas e quais sãs as melhores formas de prevenir o surgimento desses quadros. Vamos lá!

10 doenças mais comuns nos cães

1. Obesidade

Cachorro obeso sentado

A obesidade nos cães é um problema grave e que já atinge 50% dos cães em todo o mundo. A doença é considerada grave e se não tratada, pode diminuir a expectativa de vida do cachorro em 30%.

O quadro acaba surgindo quando os pets desenvolvem o costume de comer tudo aquilo que os tutores também comem, como massas, doces, pizza e outros tipos de alimento.

A doença afeta diretamente a qualidade de vida do peludo, pois ao decorrer do tempo, o animal vai perdendo a força para correr, brincar e se exercitar devido ao sobrepeso. Além disso, a obesidade também acaba acarretando outros tipos de doenças como a diabetes, hipertensão e também problemas cardíacos. 

Sintomas da obesidade nos cães 

  • Ganho de peso e excesso de massa corporal;
  • Fadiga em excesso, ou seja, o animal está sempre cansado e com uma respiração cansada; 
  • Perda de interesse em brincadeiras, passeios e outras atividades;
  • Diabetes;
  • Pressão alta e problemas cardíacos.

Como evitar e tratar?

Para evitar é simples, o tutor não deve oferecer ao pet os mesmos alimentos que consome, como pizza, bolo, massas e doces. Além disso, é importante que o cachorro siga uma dieta balanceada e recomendada pelo médico veterinário. O tratamento deverá ser feito junto a um profissional, que passará um esquema de exercícios e uma dieta exclusiva baseada nas necessidades do animal.

2. Otite

Otite canina

A Otite é uma inflamação nos ouvidos dos cães que infelizmente pode ser bastante comum e pode ser causada por vários fatores como fungos, bactérias ou parasitas.

É uma doença que afeta com facilidade os animais com as “orelhas caídas” devido à maior dificuldade de limpeza e a anatomia que facilita na proliferação de bactérias e fungos. É uma doença fácil de tratar mas causa muita dor nos animais, logo, não deve ser ignorada pelos tutores. Veja os sintomas da otite:

  • Coceira;
  • Dor intensa nas orelhas;
  • Secreções e pus;
  • Inchaço, vermelhidão ou criação de crostas no ouvido;
  • Mudança de comportamento devido às fortes dores.

Como tratar e prevenir?

Para prevenir a otite é importante tomar cuidado na hora de dar banho e limpar bem as orelhas do seu cão semanalmente, principalmente se o peludo tiver as famosas “orelhas caídas”. O tratamento deve ser feito com anti-inflamatórios e antibióticos receitados pelo médico veterinário. Nada de tentar tratamentos caseiros, ok? Pois a otite pode vir a piorar.

3. Insuficiência renal

As doenças renais são muito comuns não apenas nos cães mas também nos felinos, principalmente entre os animais mais velhos. As causas da doença nos rins podem ser variadas como inflamações, infecções, baixo consumo de água, reações tóxicas, doenças autoimunes, pré-disposição genética ou até em razão da própria idade avançada. A insuficiência renal pode ser crônica ou aguda, por isso é importante consultar um veterinário para diagnosticar o seu cachorro. Quanto mais cedo o diagnóstico, melhor para o tratamento. Veja os sintomas:

  • O pet não está fazendo xixi ou está fazendo xixi em excesso;
  • A urina pode apresentar sangue;
  • Vômitos e diarreia;
  • Baixo consumo de água e perda de apetite;
  • Falta de interesse em brincadeiras e atividades por conda da dor;

Como evitar e tratar?

Para evitar o quadro, o tutor pode optar por comprar rações que tem como objetivo evitar a insuficiência renal. Além disso, o tutor precisa fazer com que o pet aumente o consumo de água, oferecendo petiscos e até mesmo algumas frutas que possuem alta quantidade de água, como a melancia. O tratamento deverá ser feito junto a um médico veterinário, pois em alguns casos é necessário a intervenção cirúrgica.

4. Sarna

cachorro coçando

A escabiose, ou sarna como é chamada popularmente, é uma doença causada por um parasita, um tipo de ácaro. Como os ácaros são invisíveis e estão em todos os lugares, é preciso tomar cuidados e estar sempre atento, para que o seu cãozinho não sofra com a doença. A doença não é muito grave e pode ser tratada com medicamentos, mas é importante ter cuidado, pois a sarna pode ser transmitida para os humanos. Confira os sintomas:

  • Coceira intensa
  • Vermelhidão
  • Erupção cutânea, como manchas e bolhas
  • Perda de apetite
  • Crostas grossas e amarelas
  • Queda e/ou ausência de pelo
  • Presença de bactérias e infecções fúngicas

Como tratar e prevenir?

É possível tratar a sarna nos cães com uso de antiparasitários específicos, medicamentos tópicos e banhos, mas é muito importante consultar um veterinário para que ele possa avaliar o quadro do cachorro. A prevenção pode ser feita evitando o contato do pet com animais e pessoas infectadas e objetos que possam estar contaminados.

5. Diabetes

A diabetes é uma doença cada vez mais comum nos cachorros, o que é preocupante, pois ela afeta de maneira séria a qualidade de vida do pet. A sua causa pode ser variada e pode estar relacionada desde a outras doenças que afetam o pâncreas ou até mesmo a má alimentação e a obesidade. No entanto, o principal fator que leva à diabetes canina é a pré-disposição genética. Veja os sintomas:

  • Alta produção de urina (poliúria);
  • Sede em excesso (polidipsia);
  • Aumento exagerado do apetite;
  • Perda de peso progressiva;
  • Perda da visão pela ocorrência de catarata;
  • Apatia;
  • Hálito forte;
  • Vômitos;
  • Perda de apetite;
  • Perda muscular.

Como tratar e prevenir?

A diabete canina não tem cura, logo, o tratamento vai ter que ser feito com o cãozinho até o fim da vida dele. A doença só pode ser diagnosticada através de exames laboratoriais realizados por um profissional.  O tratamento e controle é feito com a aplicação de insulina, em geral duas vezes ao dia, e com uma alimentação adequada.

A melhor maneira de prevenir a diabetes nos cães é investindo em uma alimentação de qualidade e visitas frequentes ao veterinário.

6. Leishmaniose

A leishmaniose é  uma doença causada por um protozoário e transmitida pela picada do mosquito palha. Essa mazela é considerada grave e as chances de cura são muito baixas. Quando em contato com seu hospedeiro (nesse caso, o cachorro), o parasita do tipo Leishmania começa a atacar as células fagocitárias (os macrófagos – responsáveis por proteger o organismo de corpos estranhos). Ele se liga a essas células e começa a se multiplicar, atacando mais células. Nessa propagação, podem atingir órgãos como fígado, baço e medula óssea. Veja os sintomas:

  • Descamação da pele;
  • Infecção e lesões na pele; 
  • Unhas espessas e em formato de garras;
  • Feridas que não fecham ou cicatrizam;
  • Problemas oculares;
  • Anemia;
  • Diarreia e vômito frequente;
  • Sangue nas fezes;
  • Nódulos pelo corpo;
  • Perda de apetite;
  • Lesões em órgãos internos.

Como tratar e prevenir?

Não existe cura para a leishmaniose, mas existe um medicamento para a cura clínica. No entanto, esse tratamento não é capaz de eliminar o parasita. A melhor maneira para lidar com a leishmaniose é investindo na prevenção, que pode ser feita por meio de vacinação, uso de coleiras com inseticidas, repelentes, telas de proteção na casa e limpeza.

7. Doença do carrapato

A erlichiose, mais conhecida como doença do carrapato, é uma infecção transmitida através da picada do carrapato. Ela ataca os glóbulos brancos do sangue do cão e pode ser apresentada em três estados, a fase aguda, a subclínica e a crônica. É uma doença grave e que atinge principalmente os cães que vivem em fazendas ou em locais abertos. Ela pode levar o animal a óbito em cerca de meses, pois a bactéria da doença do carrapato destrói todas as células de defesa do corpo do cachorro. Veja os sintomas:

  • Gengiva branca;
  • Falta de energia e interesse em atividades que antes eram prazerosas;
  • Falta de apetite;
  • Vômito;
  • Petéquia, pontinhos vermelhos espalhados pelo corpo;
  • Sangramento no nariz sem ter sofrido nenhum acidente.

Como tratar e prevenir?

A boa notícia é que existe cura para a doença do carrapato, no entanto, é preciso que ela seja diagnosticada o mais rápido possível, pois assim as chances de cura também aumentam. O tratamento poderá ser feito apenas com o veterinário e com medicações específicas. A prevenção é feita principalmente com a limpeza total do ambiente e pelo uso de coleiras e repelentes. Infelizmente não existe vacina para a doença do carrapato.

8. Giardia

A giardia ou giardíase é uma zoonose causada por um protozoário que vive no intestino grosso dos animais infectados. A transmissão acontece quando o cão tem contato com as fezes de um outro animal já infectado. A doença tem tratamento, mas para que tenha sucesso, é muito importante que a giardia seja identificada ainda no início. Veja os sintomas:

  • Diarreia com a presença de muco e sangue nas fezes;
  • Dores abdominais;
  • Vômito;
  • Mudança nos hábitos alimentares;
  • Perda de peso e depressão.

Como tratar e prevenir?

O tratamento é feito com antibióticos e vermífugos. Procure um médico veterinário de sua confiança para realizar o diagnóstico e indicar o melhor tratamento, nada de tentar resolver o problema em casa ou com remédios de verme para humanos, isso pode piorar o quadro. Para prevenir a doença, o tutor deve sempre oferecer água limpa, nunca deixar as fezes do animal por muito tempo no ambiente, evitar que o pet divida bebedouro ou comedouro com outros animais e claro, a vacina para a giardia.

9. Raiva

Chihuahua bravo

A raiva é uma zoonose grave e muito comum no Brasil. . A transmissão é através da saliva de um animal já infectado, por lambidas ou mordidas, seja de outro cão, gato ou até morcego. Depois de infectado, o vírus se espalha por todo o sistema nervoso do animal. Os sintomas surgem depois de cerca de 10 a 60 dias. A doença não tem cura, é fatal e pode ser transmitida para os humanos. Existem três tipos de raiva: a furiosa, a muda e a intestinal.  Confira os sintomas:

  • Mudança de comportamento do animal;
  • Salivação excessiva;
  • Agressividade;
  • Perda de apetite;
  • Vômitos frequentes;
  • O pet para de beber água;
  • E a paralisia do animal.

Como prevenir e tratar?

A prevenção é a única e melhor forma de lidar com a raiva, pois a doença não tem cura. Por isso, a melhor maneira de prevenir a raiva nos cães e até mesmo nos humanos é por meio da vacinação. Os cães, logo após quatro meses do nascimento, já podem ser imunizados contra a raiva canina. Os tutores também devem se proteger por meio da vacina antirrábica, que pode ser tomada em qualquer idade.

10. Depressão

Ignorada por muitos, a depressão em cães é real e muitos animais sofrem com o problema. A doença pode começar com a síndrome de separação do tutor e logo vai avançando para um quadro mais grave, onde o animal se vê em tristeza profunda. Felizmente a doença tem cura e os sintomas podem ser facilmente identificados pelo tutor, confira:

  • Apatia;
  • Perda de interesse em atividades que antes eram prazerosas;
  • Olhar cabisbaixo;
  • Perda de apetite;
  • Excesso de sono;
  • Lambedura excessiva
  • Comportamento destrutivo.

Como prevenir e tratar?

Quando a depressão é causada por um fator interno, como a falta de nutrientes ou algum trauma, é necessário buscar a ajuda de um médico veterinário. Passeios leves e brincadeiras em ambientes abertos podem ser grandes aliados para ajudar o cãozinho a enfrentar o quadro de tristeza. Além disso, passar mais horas brincando com o tutor ou até mesmo vendo algum programa na televisão, será válido.

A importância do cuidado

Algumas doenças que acabam sendo bastante comuns nos cães podem ser prevenidas por meio da vacinação, uma alimentação adequada e de qualidade, limpeza do ambiente, uma rotina de higienização semanal ou quinzenal e visitas frequentes ao médico veterinário.

Ao escolher trazer um cachorro para casa, é muito importante estar ciente de todas essas responsabilidades que você precisa ter com o seu amigo de quatro patas. Portanto, ao ter essa rotina de cuidados com o seu bichinho, você pode prevenir várias mazelas e proporcionar ao seu cachorro uma vida mais saudável e feliz. Boa sorte!

Comentários