Giardia em cães: o que é, como prevenir e tratar

Bulldog Inglês deitado no chão do apartamento

Os cães são parecidos com os humanos em muitos aspectos. Não é a toa que muitos consideram os cãezinhos como os nossos melhores amigos. Mas infelizmente as semelhanças com os tutores não se resumem apenas a personalidade e aos gostos. Os cães podem ter doenças semelhantes e até mesmo iguais a dos humanos, como a giárdia. Você sabia disso?

A doença é causada pelo protozoário Giárdia intestinalis mas também conhecido como G. duodenalis ou G. lamblia. A doença causada por esse protozoário microscópico pode causar dores extremas no intestino de vários mamíferos, incluindo os cães.

Em casos mais graves, a giárdia pode chegar a paralisar todo o intestino do animal infectado, logo, acaba gerando náuseas, vômitos e vários outros sintomas desconfortáveis.

Os cães sentem dores fortes e infelizmente eles não podem avisar ao tutor o que está acontecendo com eles. Por isso, cabe ao dono identificar que o animal não está bem e levá-lo imediatamente ao médico veterinário para que seja tratado da melhor maneira possível.

A giárdia tem cura e também pode ser prevenida, mas para que isso ocorra, o tutor precisa estar sempre atento aos vermífugos.

Mas não se preocupe, neste texto nós vamos te ajudar a entender melhor o que é a giárdia, explicando locais que os animais podem facilmente serem contaminados. Além disso, contaremos quais são os principais métodos de prevenção e tratamento para a doença. Acompanhe até o final. 

O que é a Giárdia?

A giardia canina é uma doença que prejudica o trato intestinal do cãozinho causada por um organismo unicelular parasitário, o protozoário Giárdia.  Esse protozoário entra no cachorro, por meio da comida, por exemplo, e acaba causando graves infecções no intestino do cãozinho.

O animal pode ficar extremamente debilitado e com dores, pois o protozoário se instala no trato intestinal e no sistema digestivo do animal causando inflamações e distúrbios.

O grande problema da questão é que alguns cães podem estar com a doença e não demonstrarem nenhum sintoma, o que é muito grave. Pois mesmo que o pet não sinta os sintomas, como o vômito e a diarreia, a giárdia pode aos poucos lesionar as células da parede intestinal, debilitando o animal e o levando à morte após algum tempo. Por essa razão, consultas de rotina com o médico veterinário são tão importantes. 

A doença ainda é altamente contagiosa, logo, o animal infectado deve ficar afastado dos outros pets. A giárdia atinge também diversos outros mamíferos como as aves e os humanos, logo, o cãozinho pode pegar a doença por meio de humanos e outros animais.

Outro grande perigo da doença, é que esse protozoário consegue facilmente viver fora do corpo hospedeiro, logo, ele pode contaminar a água, comida e até mesmo o ambiente em que o animal vive. Por isso a transmissão da doença é tão fácil e perigosa. 

Sintomas causados pela Giárdia 

Como dito anteriormente, em alguns casos o animal pode ficar assintomático, ou seja, não apresentar nenhum sintoma de que está com a giárdia, o que pode ser perigoso. Logo, é sempre importante ressaltar a importância de consultas e exames de rotina com o médico veterinário. Essa é a melhor forma de prevenção da giárdia e de várias outras doenças que acometem os pets.

Assim que o animal é infectado pelo protozoário, ele começa a ter diarreia e as fezes apresentam sangue e muco. Após alguns dias o animal começa a sentir náuseas e consequentemente começam os vômitos, os gases e a perda e diminuição do apetite. Logo, o animal acaba perdendo peso em um período muito curto de tempo, logo, fique bastante atento ao peso do animal. 

Além disso, como dito anteriormente, a giárdia causa dores e desconfortos extremos no cãozinho. Como consequência, o pet começa a ficar apático devido às dores abdominais que começa a sentir. Com isso, o animal passa também a não conseguir beber água, sofrendo uma desidratação, ficando com os pelos fracos e sem nenhuma energia para fazer outras atividades, como brincar e passear.

Como tratar a giárdia? 

O diagnóstico da giárdia não é algo simples, por isso, se o tutor desconfiar que o animal está com a doença, deve imediatamente falar com o médico veterinário. Explique para ele todo o histórico e sintomas que você conseguiu identificar no pet. O diagnóstico não é fácil, pois muitas vezes os exames de sangue podem não mostrar a presença do protozoário. Sendo assim, exames de fezes mais precisos precisam ser realizados para que a presença da giárdia seja confirmada. 

Após comprovada a presença da giárdia no corpo do animal, o profissional irá iniciar um tratamento com base em antibióticos e outros medicamentos. O médico veterinário precisa ser consultado, pois existem medicamentos específicos para o tratamento da giárdia que apenas um profissional poderá receitar e medicar o animal. Em alguns casos, onde o animal fica extremamente desidratado e apático, a internação se faz necessária para que o peludo seja observado de perto. 

Além disso, filhotes e cães idosos estão muito vulneráveis à doença e podem facilmente ir a óbito por conta da giárdia. Isso ocorre, pois a imunidade deles é mais fraca e consequentemente eles ficam mais expostos e vulneráveis ao protozoário. Por isso, proteja e cuide do bichinho. Uma forma de fazer isso é sempre deixando o ambiente limpo. 

Como prevenir a giárdia?

Uma das melhores formas para você prevenir a giárdia é deixando o ambiente sempre limpo. Como dito anteriormente, a giárdia pode facilmente viver longe do corpo hospedeiro, logo, invista na limpeza por toda a casa e não apenas no local onde fica o pet. O uso de desinfetantes, álcool e água sanitária podem se fazer necessários. Mas tenha cuidado para não intoxicar o pet, por isso, mantenha ele longe na hora da limpeza.

Locais úmidos também devem demandar a atenção do tutor, a giárdia sobrevive facilmente nesses ambientes. Tome cuidado em casa e se possível acabe com ambientes úmidos. Locais secos e quentes não são perigosos, pois dificilmente a giárdia sobrevive a temperaturas muito altas.

Outra etapa importante da limpeza é sempre retirar as fezes do seu bichinho imediatamente e nunca deixá-las expostas por muito tempo no ambiente. Além disso, sempre recolha as fezes do seu animal na rua. O seu cãozinho pode estar infectado e passar a giárdia para outros cães e vice e versa. Por isso, a conscientização da limpeza de locais públicos é uma aliada na hora de evitar a giárdia. E lembre-se: a doença também pode afetar você e sua família, pense nisso!

E como explicamos, a giárdia é altamente contagiosa, logo, é importante evitar que o pet entre em contato com animais infectados. E caso você utilize o serviço de hospedagem ou pet sitter para cães, investigue o local antes de deixar o seu animal por lá. Se você notar que o ambiente não é limpo e seguro, procure outro local para deixar o cãozinho. A segurança dele deve sempre ser prioridade para o tutor. 

E a última forma de prevenção é a vacina da giárdia, ela é extremamente importante para animais que convivem diariamente com outros cães e animais, ficam em creches para pet e vivem em locais muito abertos. Por isso, consulte o médico veterinário e dê a vacina para o seu amigo peludo. Você estará protegendo ele e também toda a família. Boa sorte!

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *