Depressão em cães: como lidar e tratar o pet

Depressão em cães: como lidar e tratar o pet

A depressão canina pode acontecer por diferentes motivos. Neste artigo nós vamos te explicar como acontece e dicas de como resolver
Rosto Fila Brasileiro

A depressão em cães pode ocorrer por diversos fatores, como a mudança no ambiente, chegada de um membro novo ou até mesmo o falecimento de alguém querido

Os cães são animais bastante companheiros e amigos dos humanos. Muitas vezes, eles são responsáveis por trazer a alegria de toda a família com lambidas e muito carinho. No entanto, os cães também são animais muito sensíveis e cheios de emoções, logo, eles podem vir a apresentar um quadro de tristeza e até mesmo depressão.

A depressão nos cães pode acontecer por diversos motivos, como por exemplo, se seu pet está passando muito tempo sozinho ou até mesmo absorvendo os sentimentos do dono e família.

Por isso, para lidar com esse quadro, você deve primeiro entender como anda a sua saúde emocional e física para depois avaliar a situação do seu cãozinho.

Neste artigo nós vamos te explicar como funciona a depressão nos cães e como ela se desenvolve. Entender o quadro fica muito mais fácil para compreender que os cães também têm sentimentos como os tutores.

Além disso, vamos contar um pouco como o tutor pode evitar, lidar e tratar o quadro de maneira confortável para o pet e também para toda a família. Boa leitura!

O que pode levar um cachorro a ter depressão?

Além de entender e verificar como anda a saúde emocional de todos aqueles que convivem com o pet, é importante refletir algumas questões. É necessário que você leve em consideração quantas horas você se dedica ao seu cachorro, se leva-o para passear com frequência e se brinca com o bichinho. Animais que ficam sozinhos por muitas horas e trancados dentro de casa, têm uma tendência maior a desenvolver o quadro.

Especialistas afirmam que cães que estão inseridos em ambientes inadequados, sem confortou ou qualidade necessária, também desenvolvem depressão.

Além disso, animais que sofreram ou passaram por situações traumáticas, como o abandono, que foram resgatados ou estão em situação de rua, estão mais suscetíveis ao problema. Além da depressão, animais que vivem com esses traumas também podem desenvolver a ansiedade com muita facilidade.  

Cachorro triste com anemia

Ao nos colocarmos no lugar do pet e entendermos os sentimentos deles, podemos aprender a lidar e tratar da melhor maneira o quadro. Os transtornos emocionais dos cães podem, inclusive, ocorrerem por falta de algum nutriente no organismo, até por questões do estilo de vida.

Algumas mudanças na casa também podem contribuir com o surgimento do problema, como a chegada de um bebê, falecimento de algum membro da família e até mesmo a mudança na rotina de alguém da casa.

Por isso, é importante que o tutor e os membros da casa avaliem toda a situação do ambiente familiar, para que possam conversar e entender o problema junto a um médico veterinário.

Caso tenha chegado algum membro novo na família ou alguém tenha falecido, leve o animal ao veterinário para que você possa entender qual o melhor suporte e tratamento a oferecer.

Quais são os sintomas da depressão nos cães?

Os sintomas de depressão nos cães não são muito diferentes de como acontece em nós humanos. Os cãezinhos quando estão tristes e depressivos, apresentam rapidamente mudanças no comportamento, que podem ser leves ou mais intensas, tudo depende da gravidade do quadro do pet. Se o cãozinho é sempre amigável e alegre, mas começa a ficar acanhado e agressivo, pode ser que ele esteja depressivo.

A agressividade em cães com depressão pode começar a aparecer de maneira repentina. Ele vai mostrar os dentes ao rosnar, latir de maneira exagerada e incomum e pode até mesmo tentar morder o tutor.

Além disso, ele pode parar de comer, rejeitando até mesmo os seus petiscos favoritos. A automutilação, como morder o próprio rabo de maneira agressiva, e a lambedura excessiva, também são sinais de que algo não vai bem.

O cãozinho depressivo também pode começar a perder peso devido à perda de apetite, recusar a brincar com seus brinquedos favoritos e até mesmo com outros animais da casa.

Seu pet poderá demonstrar cansaço excessivo, olhar triste e perdido, prostração, e se isolar com frequência. Começar a se coçar mais que o normal, pode ser outro sinal da ansiedade canina.

É possível notar que os sintomas da depressão canina se assemelham com a depressão humana. Caso note esses sinais, você deve levar o animal com urgência ao veterinário para que um tratamento seja iniciado.

O ideal é não tentar forçar nenhuma situação que o cãozinho não queira, pois isso pode com facilidade deixa-lo irritado. Logo, busque pela ajuda de um profissional.

Como evitar e lidar com a depressão nos cães?

A depressão, como dito, pode ocorrer por algum fator externo e também interno. Nos casos externos, como mudanças no ambiente, o tutor pode com mais facilidade evitar e lidar com o quadro.

Já quando a depressão é causada por um fator interno, como a falta de nutrientes ou algum trauma, é necessário buscar a ajuda de um médico veterinário.

Passeios leves e brincadeiras em ambientes abertos podem ser grandes aliados para ajudar o cãozinho a enfrentar o quadro de tristeza. Além disso, passar mais horas com o tutor brincando ou até mesmo vendo algum programa na televisão será válido.

Você pode ainda comprar os petiscos favoritos e alguns brinquedos novos, mostrando ao seu cãozinho que ele é querido na casa e tem sua companhia por perto.

Caso tenha tido alguma mudança na casa ou na rotina, como o início de um novo trabalho ou a chegada de um bebê, tente mostrar ao pet que ele continua sendo importante e querido na casa.

A melhor forma para fazer isso, é dedicando uma hora no dia apenas para ele. Além disso, o uso de florais para ansiedade também podem ser grandes aliados para lidar com o quadro.

E o principal: tenha calma e paciência com o seu pet, assim como é difícil para você lidar com a situação, para o animal é ainda mais difícil, pois ele não sabe o que está acontecendo.