Feromônio: como essa substância pode influenciar no comportamento dos cães

Entenda do que se trata o feromônio, como ele atua e como pode contribuir para certos comportamentos dos cachorros
2 Lulu da Pomerânia deitados no chão da cozinha

A comunicação não verbal desempenha um papel muito importante na vida dos cães e é realizada por meio de mensagens químicas conhecidas como feromônios. Os feromônios são substâncias químicas liberadas por cães e que causam reações comportamentais, boas ou ruins, em outros cães que as percebem.

Considerando que essa substância desencadeia certos comportamentos nos cães, produtos contendo feromônios sintéticos são atualmente comercializados para induzir certos comportamentos ou prevenir hábitos indesejados nos peludos.

Por exemplo, esse tipo de substância é utilizada frequentemente em cães ansiosos, pois pode fazer com que eles fiquem mais calmos. Para te ajudar a entender um pouco mais sobre o assunto, neste artigo daremos mais informações sobre o que são feromônios naturais e sintéticos e como eles podem ajudar a vida dos nossos queridos cãezinhos. Acompanhe!

O que são os feromônios caninos?

Feromônios caninos são substâncias químicas produzidas pelo pet e logo são liberadas no meio ambiente para se comunicar com outros indivíduos da mesma espécie ou para desencadear mudanças fisiológicas ou comportamentais no cão receptor. Seu objetivo é induzir reações comportamentais e emocionais específicas.

Essas substâncias são liberadas para o meio externo por meio da urina, das fezes, das secreções vaginais ou das glândulas da pele e, em geral, atuam apenas em indivíduos da mesma espécie, ou seja, um feromônio canino só modificaria o comportamento de outros cães.

Como os cães detectam os feromônios?

Os feromônios no ambiente são detectados pelos cães através do sentido do olfato (mucosa olfatória) ou órgão vomeronasal. A grande maioria será detectada por meio do órgão vomeronasal, que é uma estrutura localizada no palato. Esse órgão é formado por dois tubos que se comunicam com a cavidade oral e, dentro desses tubos, existem receptores que detectam feromônios e enviam “mensagens” ao cérebro (especificamente à amígdala), o que resulta em uma resposta comportamental.

A amígdala está envolvida no controle do comportamento agressivo, reprodutivo e na resposta ao estresse dos cães, o que explica a influência que os feromônios têm sobre determinados comportamentos dos pets. Para facilitar a percepção dos feromônios, principalmente dos odores sexuais, muitas espécies realizam um processo comportamental denominado ‘Flehmen’, pelo qual levantam o lábio superior e abrem a boca para aumentar a abertura dos dutos que conectam o órgão vomeronasal à cavidade nasal.

No caso específico dos cães, não está claro que façam exatamente o Flehmen, mas colocam e retiram repetidamente a língua da boca para facilitar a passagem dos feromônios detectados em direção ao órgão vomeronasal.

Tipos de feromônio para usar

O tipo do feromônio a ser utilizado com os cães irá depender de qual problema comportamental o tutor está afim de tratar ou até mesmo evitar no cachorro. Logo, após conhecê-los, é interessante conversar com um médico veterinário para identificar qual tipo é o ideal para o seu amigo de quadro patas.

No geral, existem três tipos de feromônios que variam de acordo com seu mecanismo de ação:

  • Feromônios desencadeadores: são os feromônios que, após serem percebidos, provocam imediatamente uma mudança no cão receptor. Seu efeito é imediato;
  • Feromônios primários: são feromônios que não causam imediatamente uma mudança de comportamento no cão receptor, mas iniciam uma série de mudanças fisiológicas em seu corpo (mudanças no nível hormonal) que, após alguns dias, levarão a uma mudança no comportamento. Eles precisam de vários dias para exercer seu efeito;
  • Feromônios sinalizadores: são moléculas que transmitem informações sobre as características do cão que as produziu.

E existe também os feromônios naturais produzidos pelos cães. Alguns dos feromônios produzidos por cães são de interesse etológico, pois induzem mudanças no comportamento dos cães que podem ser muito interessantes para o manejo de problemas de comportamento. Confira:

Feromônio calmante

Este feromônio é produzido através das glândulas próximas aos seios de cães lactantes. A função do feromônio calmante é diminuir a ansiedade dos filhotes durante a amamentação. Cães adultos demonstraram manter a capacidade de responder a esse feromônio e ele tem um efeito ansiolítico.

Feromônio sexual

As fêmeas durante o cio secretam um feromônio sexual (p-hidroxibenzoato de metila) através da vagina que permite aos machos saber quais fêmeas estão receptivas à reprodução. O cheiro desta substância pode ser detectado por cães machos a grandes distâncias (até 1 km) e gera neles um comportamento imediato de aproximação sexual.

Quais são os benefícios dos feromônios para os cães?

Por meio dos feromônios sintéticos, nós podemos influenciar os comportamentos positivos dos cães ou evitar comportamentos indesejados. Para isso, certos feromônios naturais de cães foram isolados e estudados a fim de criar homólogos sintéticos que possam ser usados ​​no tratamento de problemas de comportamento dos peludos, por isso que eles são tão eficientes.

Além disso, existem produtos com feromônios sintéticos disponíveis no mercado que ajudam a reduzir o nervosismo ou a ansiedade em cães. Esses produtos contêm homólogos sintéticos do feromônio de extinção canina. Feromônios sintéticos usados ​​para apaziguar cães imitam o efeito calmante que os feromônios de uma cadela teriam em seus filhotes.

Esses produtos com feromônios servem para aliviar a ansiedade no cão, causada por muitas situações diferentes como o estresse, ansiedade de separação, viagens e fobias de ruído, como aqueles causados ​​por tempestades ou fogos de artifício.

Mas antes de comprar um feromônio para o seu pet, é muito importante conversar com um médico veterinário primeiro, pois apenas ele vai saber qual é o mais indicado para a situação do seu amigo de quatros patas. Boa sorte!

Comentários