Cachorro com feridas e queda de pelo: causas e como tratar

Há diversos motivos que levam o cachorro a ter feridas na pele e queda de pelo. Vejas as principais causas, como tratar e evitar
cachorro coçando

A pelagem dos cães é uma parte que necessita de muitos cuidados, como escovação diária, banhos e o uso de produtos adequados para cada tipo de pelo.

Esses cuidados são importantes, pois assim como os humanos, os cães estão suscetíveis a diversos problemas de pele, que acabam ocasionando a queda dos pelos e até mesmo feridas. Além de causar coceiras, dor e muito desconforto para o bichinho.

Se você percebeu que o seu cachorro está com esses problemas, isso é sinal de que algo não anda bem e ele precisa ser tratado. No entanto, para resolver a questão é muito importante conseguir identificar a causa e também levar o animal ao médico veterinário.

Por isso, neste artigo abordaremos as principais causas das feridas e queda de pelo em cães, além de mostrar opções de prevenção e tratamento. Acompanhe.

Causas das feridas e queda de pelo em cães

Sarna

Os principais sintomas da sarna são as feridas e a queda de pelo, logo, a probabilidade do seu cãozinho estar com a doença é bastante alta. Mas é importante salientar que existem dois tipos da doença, a sarna sarcóptica e a sarna demodécica.

A a sarna sarcóptica é considerada a mais comum é também a mais perigosa, uma vez que essa variação é altamente transmissível para outros animais e até humanos, levando o cão a se coçar sem parar, o que piora muito a situação das feridas. Esse tipo de sarna causa manchas vermelhas pelo corpo, feridas, coceira e queda de pelo do pet.

A sarna demodécica, por sua vez, não causa feridas no corpo do animal, pois não gera coceira, mas apresenta características específicas. Ambas precisam ser tratadas imediatamente com a ajuda de um médico veterinário.

Dermatite atópica

A dermatite também é uma causa comum que leva os cães a apresentarem feridas e queda de pelo. E algumas raças apresentam mais chance de desenvolver a dermatite devido ao pelo curto, as sobrinhas pelo corpo e a pele sensível, como o chow chow, dogo argentino, buldogue inglês e o pug.

Assim como a sarna, a dermatite também se divide em tipos, sendo a dermatite atópica mais comum. Ela se desenvolve a partir do contato de ácaros, poeiras ou fungos com a pele do pet. E os fungos podem surgir quando o pelo do animal fica molhado após o banho, logo, todo cuidado é necessário. 

O cachorro começa a se coçar de uma maneira excessiva, usando as patas e até os dentes, o que leva o surgimento das feridas. Além disso, a doença pode desencadear queda de pelo, manchas vermelhas pelo corpo e infecções no ouvido, como a otite.

Alergias

Por mais impossível que pareça, a roupinha, coleira ou outros acessórios podem ferir seriamente o seu cachorro. A chamada alergia de contato pode ser causada pelo tecidos de roupas para cães, coleiras antipulgas que possuem componentes químicos e até mesmo peitorais, quando muito apertados ou feito de um material que pode provocar assaduras.

O ideal é buscar acessórios que não apertem o corpo do animal e sejam feitos com tecidos mais leves. E se o clima estiver muito quente, evite colocar roupas e acessórios no seu peludo.

Pulgas e Carrapatos

As pulgas e os carrapatos também podem levar o animal a apresentar queda de pelo e feridas. As feridas geralmente aparecem, pois o animal sente uma coceira excessiva e acaba se machucando ao tentar se coçar. Os parasitas, em contato com a pele do animal, podem machucar e ferir a região.

Além disso, as pulgas e os carrapatos podem fazer o animal apresentar outros graves sintomas, como febre e a doença do carrapato. É muito importante manter o antiparasitário do seu cão em dia, mesmo que ele não tenha tendência a ter alergias por causa das pulgas.

Lambedura em excesso

Embora fazer a higienização diária com a língua seja algo comum para os cães, é importante estar atento. A lambedura pode ocasionar problemas, como as feridas e a queda de pelo, desenvolvendo o que chamamos de “Dermatite por Lambedura”.

Ao se lamber em excesso, os cães podem infeccionar ainda mais um machucado que está aberto ou fazendo algum novo, pois a língua possui algumas bactérias que podem prejudicar a cicatrização do machucado. Nesses casos, é considerado o uso de um colar elisabetano para que o cão não lamba o local ferido.

O que fazer?

A medida mais importante é levar o pet ao médico veterinário para ter certeza de qual é a causa que está motivando o problema. Em alguns casos é necessário o uso de antibióticos utópicos que só podem ser receitados pelo profissional.

Ao encontrar feridas na pele do cachorro, o primeiro passo é tentar manter o machucado limpo para evitar que infeccione ou que a situação piore. Para isso, pegue uma gaze o um algodão com álcool 70 ou algum tipo de spray antisséptico.

Esse primeiro passo é apenas para deixar a situação menos incômoda ao seu peludo. Mas lembre-se! O álcool apenas limpa o local, remédios serão necessários para ajudar na cicatrização do machucado.

Por fim, certifique-se sempre que todas as vacinas e vermífugos estejam em dia, pois como vimos, parasitas também levam ao surgimento de feridas e queda de pelo.

Como evitar as feridas e queda de pelo dos cachorros?

A melhor maneira de evitar as feridas e a queda de pelo nos cães, é sempre manter as vacinas e vermífugos em dia. Além disso, é muito importante que você opte sempre pelos melhores shampoos e produtos na hora de fazer a higienização do animal.

Após o banho, sempre certifique-se de que secou bem o cãozinho, pois uma pele úmida leva ao surgimento de dermatites. E por último, tome cuidado com o material das coleiras e acessórios, opte sempre por tecidos de algodão, evite também colocar roupa no animal em dias quentes. Boa sorte!

Comentários