5 dicas importantes para o cachorro ficar mais obediente

Separamos 5 dicas e pontos importantes para levar em consideração caso o tutor queira que o cachorro fique mais obediente. Confira!
cachorro bagunceiro

Algumas raças de cachorro são naturalmente mais desobedientes, o que geralmente dificulta o adestramento. Já outras, têm tendência a serem mais tranquilas e obedientes, facilitando na hora de aprender novas regras. De qualquer forma, se o cão se mostra rebelde, isso pode ser um traço de sua personalidade ou um reflexo da educação que recebeu. Em ambos os casos, sempre é possível reverter a situação com um pouco de paciência e dedicação.

Nesse artigo, separamos cinco dicas para os tutores que estão lidando com comportamentos desagradáveis ou desobediência por parte de seus cães. Confira!

Cachorro desobediente? Veja o que pode ser e o que fazer

1. Relação de carinho e confiança

O relacionamento entre pet e tutor vai muito além de mandar e obedecer. Antes de tudo, o cachorro precisa confiar no tutor, se sentir confortável e seguro, para só então estar disposto a obedecer regras. Depois disso, é importante que seja criado um laço, passando algum tempo lado a lado. Passeios, brincadeiras ou sonecas juntos, qualquer momento pode ser bem aproveitado ao lado do peludo.

Também é importante se atentar à linguagem que é utilizada, deixando muito claro quando o tutor está satisfeito e quando está insatisfeito com o cão. Contudo, o cães precisam de disciplina, não medo. Não adianta gritar com ele ou magoá-lo, essa não é a forma correta de educar.

2. Associar o nome à algo ruim

Cães podem associar seus nomes à coisas ruins. Na hora de repreender, alguns tutores utilizam o nome do pet seguido da palavra “não” ou em tom muito agressivo. O mais apropriado é dizer apenas “não” e ele entenderá o tom de voz. além disso, o tutor também deve deixar claro qual foi o comportamento que desagradou, para não gerar confusão na cabeça do cãozinho.

Mas se ele já associa o próprio nome a algo ruim, o tutor pode reverter isso com um simples treino: chamar o cachorro pelo nome e, quando ele atender, ser recompensado – com carinho, brincadeiras ou petiscos. Isso fará o cão entender que, ao ouvir o nome, deve estar atento, além de fazer com que ele perca o medo e facilite o adestramento.

3. Adestramento positivo

O adestramento positivo é a melhor alternativa para treinar cães. É o método em que o pet é recompensado pelo bom trabalho e as punições não são muito severas, ou seja, o equilíbrio ideal entre disciplina e paciência. Serve para ensinar truques, como dar a pata, sentar, deitar, mas também pode ser útil para as tarefas do dia-a-dia.

Quando o cão fizer as necessidades no lugar certo, ganha uma recompensa. Quando mastigar ou bagunçar onde não deve, ganha uma punição. Esse exercício deve ser feito com constância, para que o cachorro espere pela recompensa e repita ou não o comportamento em ocasiões futuras. Contudo, é importante ter muita paciência, afinal cada cão tem seu ritmo e nível de inteligência. Todo cão pode ser adestrado e em qualquer idade, mas o tutor deve respeitar seu tempo e suas limitações.

4. Soluções rápidas

Alguns cães podem ser calorosos demais com as visitas, pulando e fazendo a maior festa. Porém, essa recepção nem sempre é bem-vinda, e para corrigir esse comportamento, não há tempo de treinos constantes como em outras ocasiões. Assim, o tutor precisa utilizar uma solução rápida, mas o violência nunca é uma opção! Não é recomendado dar palmadas ou empurrões no cão.

A melhor alternativa é borrifar água na direção dele, mas com cuidado para não atingir muito próximo aos olhos ou ao focinho, pois é muito desconfortável. Opte por borrifar um pouco mais de longe, para que ele apenas sinta o leve incômodo da água, e se afaste. Essa solução não deve ser colocada em prática com frequência, pois assusta o cão, e o medo não é um método de aprendizagem. No dia-a-dia, o tutor deve persistir nas repetições com recompensas.

5. Estresse ou solidão

Se o cão está muito agitado, latindo em excesso e apresentando comportamento destruidor, o tutor deve fazê-lo gastar energia. Algumas raças vivem bem com pouco exercício físico, mas outras são raças muito ativas e precisam de muitas caminhas por dia, além de brincadeiras que espantem o tédio. Quando isso não acontece, eles ficam estressados e tendem a se tornar agitados e barulhentos.

Para resolver esse problema, o tutor deve aumentar o ritmo de atividades a fim de que o cão esteja cansado ao final do dia. Cães que passam muito tempo sozinhos também podem apresentar esse comportamento, é preciso dedicar um pouco mais de tempo para o peludo ou optar por creches caninas ou daycare, dependendo do tempo de ausência prevista. Outra alternativa também podem ser os serviços de dog walker e petsitter. Uma vez que o peludo gaste bastante energia e não se sinta mais sozinho, esse comportamento irá mudar.

Comentários