Piometra: saiba tudo sobre a grave doença que pode atingir as cadelas

A piometra é uma infecção bacteriana no útero de cadelas que já tiveram o primeiro cio. Explicamos tudo sobre essa doença para você. Confira!
Yorkshire Terrier marrom fêmea

A piometra é uma doença grave que pode levar as fêmeas a óbito, logo, a melhor maneira de prevenir a doença é com a cirurgia de castração

Você já ouviu falar na piometra? Bem, ela é uma doença bastante grave que atinge as cadelas não no período do cio. Infelizmente, o quadro é bastante comum em cachorras não castradas. A doença tem cura, mas apenas pode ser tratada com a remoção do útero e do ovário. Caso a cadela não receba o tratamento adequado a tempo, ela pode ir a óbito em poucos meses.

Mas quando falamos na piometra, fica um pouco complicado compreender como ocorre a doença. O quadro é causado por bactérias que acabam se alojando no endométrio da cachorra, logo, a doença acaba gerando dores, desconfortos e vários outros sintomas graves. Apenas as fêmeas podem desenvolver a doença, pois se trata justamente de uma infecção no útero. 

Mas para te ajudarmos a entender melhor a doença e até mesmo proteger a sua cadela, vamos te explicar de maneira simplificada como o que é a piometra e como o quadro acontece. Além disso, vamos te dar dicas de prevenção e falar um pouco melhor sobre o tratamento realizado para tratar o quadro. Acompanhe até o final!

O que é a piometra?

A piometra é uma infecção uterina que atinge as cadelas que já atingiram a maturidade sexual, ou seja, as que já tiveram o primeiro cio. A doença acontece, pois, durante o cio, o útero das fêmeas enfrenta mudanças morfológicas e fica muito exposto e suscetível à contaminação por diversas bactérias perigosas. A infecção não é contagiosa, logo, você não deve se preocupar caso tenha outros cães em casa. 

Após as bactérias atingirem o útero, elas começam a se alojar no endométrio e iniciam a proliferação das bactérias. O estímulo hormonal que ocorre no útero da pet, cria um ambiente ideal para que as bactérias se espalhem de maneira muito rápida, com isso, o processo de infecção é desencadeado e o quadro se torna grave.

Quais são os sintomas da piometra?

Antes de explicar quais são os sintomas da piometra, é importante salientar que existem dois tipos da doença: a piometra fechada e a piometra aberta. A aberta acaba sendo mais fácil de identificar pois o tutor consegue observar a presença de uma secreção vaginal com pus.

Já na piometra fechada, essa secreção não aparece, logo, o diagnóstico só poderá ser feito por um médico veterinário através de exames. Por isso é tão importante os exames e check ups de rotina.

Além disso, a piometra só atinge cadelas que não são castradas, pois é uma doença que atinge o útero e cachorras castradas retiram esse órgão durante o procedimento da castração. Por isso, se a sua pet é castrada e está apresentando sintomas semelhantes a piometra, leve-a ao médico veterinário pois provavelmente se trata de alguma outra doença, que possivelmente também é grave. Vamos aos sintomas.

Os primeiros sintomas da piometra começam a aparecer na oitava semana após o cio. Um dos primeiros sintomas é a falta de apetite e também a fraqueza. A infecção causa dor, logo, esses sintomas são os mais comuns. No entanto, o aumento do volume abdominal também é um sinal grave. E com esse aumento, a cachorra vai começar a apresentar febre e também a secreção vaginal (caso seja a piometra aberta). 

A secreção vaginal também pode acompanhar um pequeno sangramento, este sintoma acontece em 85% das fêmeas que estão com piometra.  Além disso, a doença vai fazer com que a pet faça xixi mais vezes que o normal, o que vai gerar um aumento considerável no consumo de água.

Em casos mais graves, a cadela pode apresentar insuficiência renal, diarreia, toxemia e até mesmo a peritonite, que é uma infecção nos intestinos que pode levar o animal a óbito em pouco tempo.

Por isso, ao identificar qualquer um dos sinais citados acima, leve a cadela imediatamente ao médico veterinário. Pois como dito anteriormente, a doença é grave e pode levar a fêmea à morte. 

Quais são os possíveis tratamentos?

Antes de falar em tratamento, é importante citar a prevenção. A melhor maneira de proteger a fêmea da piometra é por meio da castração. O método remove o útero do animal e consequentemente evita o cio, o que impede que ela esteja suscetível às bactérias que causam a piometra.

Além disso, a castração também evita diversos outros tipos de doenças graves, como o câncer no útero e o câncer de mama. Castrar o seu bichinho é um gesto de amor e cuidado. 

A única forma de tratamento eficaz da piometra é a ovariohisterectomia, ou seja, a remoção do útero e do ovário infectado da fêmea. Além da cirurgia, o médico veterinário irá realizar uma bateria de exames para monitorar a infecção. A cadela precisará ficar no mínimo 48 horas internada antes da cirurgia para que todo esse monitoramento seja realizado. 

A cirurgia é mais delicada que a castração, pois estamos falando da remoção de órgãos reprodutores infectados por bactérias, logo, o cuidado é muito maior. Durante o pós-operatório, o tutor terá que ter uma atenção especial com a pet. Ela precisará de roupa e colar cirúrgico para evitar que ela coce ou mexa na cirurgia. Além disso, ela terá que fazer o uso de analgésicos e antibióticos durante esse período. 

Outro passo importante são as consultas após a cirurgia para que o médico veterinário consiga observar se tudo ocorreu bem e se a cadela realmente está livre da piometra. Alguns exames de sangue e ultrassons também serão feitos.

Por isso, para evitar todo esse estresse para o animal e também para o tutor, a castração sempre deve ser levada em consideração. Não tenha medo de submeter o seu pet ao método e esteja atento a todos os benefícios que a cirurgia traz para o animal. Converse com o médico veterinário e castre o seu bichinho. Boa sorte!

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *