Colar elizabetano: saiba exatamente quando o cachorro deve usar

O colar elizabetano pode ser um grande aliado para auxiliar no tratamento do cachorro. Veja suas funções e importância
colar elizabetano

O colar elizabetano é o famoso “colar da vergonha” e os cães o detestam, pois atrapalham seus movimentos. Contudo, por mais que incomode os peludos por uns dias, o colar traz muitos benefícios para a saúde e bem-estar dos pets. O acessório irá impedir que alguns quadros piorem ainda mais.

Para entender as funções e importância do colar elizabetano e qual é o mais apropriado pro seu cãozinho, é só acompanhar esse artigo até o fim.

Quais as funções e a importância do colar elizabetano?

Quando o cachorro sente que uma parte de seu corpo está sensível ou dolorida, é natural que queira lamber a região como forma de se higienizar, porém, isso pode piorar o situação do peludo. Sendo assim, a principal função do colar elizabetano, é impedir que o cão se lamba ou coce alguma região lesionada.

O acessório também impede que o cão alcance a cabeça e as orelhas, e assim, não provoque arranhões com as unhas. O colar elizabetano tem um formato de cone ou funil que limita os movimentos do pescoço e o alcance da visão do cachorro, auxiliando no tratamento mas que também pode resultar em alguns esbarrões em paredes e objetos.

Quando usar o colar elizabetano?

O colar elizabetano é indicado para cães que acabaram de passar por uma cirurgia, como a castração, pois impede que ele alcance pontos ou curativos. O acessório também auxilia quando existe algum machucado ou ferida em tratamento, não só para que o cão não remova remédios ou pomadas aplicadas, mas para que também não se intoxique ao ingerir.

Como saber qual colar escolher?

golden colar elizabetano

O modelo mais popular do colar elizabetano é o de plástico, geralmente branco. Contudo, o tutor também pode investir em opções mais confortáveis para o pet. Existem modelos de plástico mais macios, os de tecido – como nylon e poliéster – e até os feitos com material inflável.

O colar conta com vários tamanhos, além de serem ajustáveis. É essencial que o tamanho seja adequado para o porte do cachorro. Escolher corretamente é fundamental para que não machuque o animal, não saia com facilidade e principalmente que o pet consiga tocar o chão com o focinho, pois isso significa que vai conseguir se alimentar.

Como alimentar o cão com o colar?

Alguns cães consegue se alimentar normalmente com o colar elizabetano, mas para outros, pode ser uma tarefa muito desafiadora. Em alguns casos, o cachorro simplesmente se recusa a comer.

É importante não remover o colar nem na hora da alimentação, assim, o peludo irá se adaptar mais facilmente à situação. Para facilitar que o cachorro coma ou beba água, o tutor pode optar por tigelas mais rasas. Também é viável posicionar o comedouro e bebedouro em uma altura mais elevada, para que o pet não precise fazer muito esforço.

Se ainda sim o cachorro não comer, é recomendado o tutor retirar o colar e supervisioná-lo enquanto se alimenta. Esse momento não deve ser levado como punição, afinal, cada cão tem suas limitações e adaptações. Lembre-se que o pet está passando por uma situação desconfortável e ajudá-lo faz parte dos cuidados.

Comentários